A Criada é um filme onde o mais importante é justamente a história, na verdade eu até recomendo que você veja esse filme sem saber nada sobre ele (sua experiência será muito melhor). Dito isso, essa crítica possui alguns spoilers.

História

O filme é na verdade quase um remake do filme “Falsas Aparências” que por sua vez foi inspirado no livro Fingersmith, e aqui já chegamos a um impasse, como disse antes saber a sinopse desse filme já é um spoiler.

Mas de uma forma bem resumida, um picareta se junta com uma ladra e resolvem dar um golpe em uma milionária. Ela vira a criada da mulher, e tenta fazer com que a madame se apaixone por ele. Porém, começa a surgir uma forte atração entre as duas.

Embora pareça ser uma história simples, ela é um pouco complexa, pois nada é o que parece ser, ao mesmo tempo que é o que parece ser, e nessa versão coreana tem coisas que fizeram ela ficar ainda mais interessante.

A Criada (The Handmaiden)

Contexto

Uma das coisas que fizeram o filme ser muito acima da média na minha opinião claro, é justamente quando e onde se passa tudo isso. Estamos em 1930 durante a invasão japonesa na Península Coreana (as coreias ainda não tinham sido divididas).

Então pensa comigo, a milionária no caso é uma japonesa, a criada é uma coreana, e ambas acabam tendo uma relação homossexual, só de acontecer isso já faria a importância do filme ser gigante.

Mas acredite, o filme tem muito mais que uma história interessante.

A Criada (The Handmaiden)

Construção de Época

Além de ser um filme de época, o filme ainda tem um pequeno detalhe em sua fotografia que faz toda a diferença. A história se passa quase que toda dentro de uma mansão, essa mansão é construída de uma forma bem peculiar, ela é metade estilo inglesa e metade estilo japonesa.

E isso tem uma importância muita grande para a história, porque além de estar maravilhosamente retratada, a casa é quase que um personagem do filme, cada item mostrado em cena não é atoa, tudo faz parte para engrandecer o filme.

A importância da casa se mostra cada vez mais importante durante o filme, principalmente quando vemos a mesma cena em ângulos diferentes. O que é ponto positivo para a montagem e edição do filme, quando você ver a mesma cena mostrada de outro ângulo, vai explodir sua cabeça sobre como um simples angulo de câmera faz toda diferença no entendimento de uma cena.

Mas não é só a casa que faz diferença não, tudo no filme faz, desde o figurino dos personagens, que demonstram bem a personalidade de cada um. Reparem na personagem principal, apesar de ser um filme que tem a intenção de nos enganar, ela demonstra na cor da sua roupa o seu real sentimento.

Mesmo que a gente só descubra isso no fim do filme.

A Criada (The Handmaiden)

Elenco Maravilhoso

Claro que uma história surpreendente, uma fotografia belíssima, não iria salvar um filme sem que tivessem um elenco que desse conta de levar uma história como essa, e acredite, é um dos melhores elencos que eu já vi em um filme coreano. Nada de exageros, como é costume em produções asiáticas, são em pequenos atos que o elenco nos cativa totalmente.

O destaque obviamente fica para as duas atrizes principais (Kim Min-hee e Kim Tae-ri), existe uma entrega tão grande das atrizes, que você compra a relação delas no exato momento em que elas se encontram pela primeira vez.

E nem estou falando só das cenas de sexo, mas de tudo, principalmente na troca de olhares entre elas (as vezes mais eróticas que as próprias cenas), é como se elas estivessem se amando com os olhos sabe?

Arrisco a dizer que a interpretação delas foi tão convincente, que acaba entregando sobre “quem estaria enganando quem ali”, não vou dar detalhes, mas é uma cena onde uma personagem faz a mesma pergunta para uma outra esperando uma resposta diferente da primeira vez, LINDO!

A Criada (The Handmaiden)

Um filme de detalhes

A Criada é um filme cheio de camadas, além de falar sobre um relacionamento homossexual, sobre como as mulheres asiáticas são meio que forçadas a ser submissas e se prender sexualmente, existe algo que é muito importante para a história do filme que pouca gente vai perceber.

Embora seja um filme coreano, o filme tem muitas cenas faladas em japonês, e acredite não apenas por show off, todas as vezes que você ver alguém falando em japonês existe um propósito (e to falando da pessoa ser japonesa).

Existe uma cena no começo do filme, que meio que já nos dão uma dica sobre o desenrolar da história, e apesar de eu ser um defensor da dublagem, este é um filme que o idioma original onde foi feito é essencial (principalmente se você entender um pouco do idioma).

A Criada (The Handmaiden) Cena de Sexo

E as cenas de SEXO?

E finalmente chegamos às tão faladas cenas de sexo, e meus amigos … provavelmente umas das melhores cenas de sexo que você vai ver no cinema, esqueça 50 Tons de Cinza, esqueça Azul é a Cor Mais Quente.

As cenas nem são tão explicitas, nada disso, mas são cenas bonitas, com um erotismo quase que poético, lembra em muito aquelas antigas gravuras sexuais japonesas (e se você viu o filme vai saber muito bem o porque disso).

E nem é só as cenas não, o filme tem todo um clima meio “opressivo erótico”, seria como a sensação que a gente tem antes chegar ao orgasmo, parece que o filme está a todo tempo ao ponto de explodir, e isso meus amigos, é maravilhoso.

Mas vale a pena?

A Criada é sem dúvidas um dos melhores filmes que eu vi nos últimos anos, engraçado, instigante e manipulativo quando tem que ser. O cinema asiático é maravilhoso!

Talvez o único problema do filme foi saber qual seria o grande “plot twist”, mas isso é um problema meu e não do filme, e por isso ele vai levar a nota que vocês estão vendo ai em baixo.

TRAILER