Sem dúvidas Gfriend é o grupo mais bem pensado e talentoso dessa nova leva do kpop, enquanto todo mundo apostava em um conceito “rala theca”, elas vieram com o “white aeygo” e instrumental começo de carreira das Girls’ Generation e conquistaram a galera … e sim o carisma delas ajuda muito (da maioria das integrantes pelo menos rs).

E o fato de virem com um visual e sonoridade mais “clássicas” digamos assim, também ajudou a conquistar os fãs mais nostálgicos de kpop, sim não é atoa que sua fan base se chama “buddies” (alias eu acho bem escroto dar nome pra fan base, parece torcida organizada de futebol, mas isso é assunto para um outro texto/vídeo rs).

Sua agência soube usar a internet para alavancar o alcance midiático do grupo e conquistar a nova geração de consumidores de kpop, seja com elas caindo em apresentações (até tem como planejar isso, mas foi natural mesmo) ou dançando suas músicas em 2x (suas coreografias são propícias pra isso).

Outra aposta certeira foi Navillera, que embora não tenha sido a evolução que se esperava delas, cumpriu o seu papel. É o MV fanservice delas, elas estarem de shortinho curto, ângulos de baixo pra cima com elas andando de patins não é pra mostrar como são fofinhas meus amigos. A câmera subjetiva remete a jogos VR japoneses, enfim mais um acerto.

E por fim chegamos a mais uma etapa onde Gfriend mostra o que aprendeu com suas “unnies” dos Girls’ Generation, e ainda soube agradar os nostálgicos e a galerinha que adora fazer textão sobre as teorias dos MV’s (esse é um prato cheio).

O MV e a música são basicamente uma versão atualizada e lúdica de Hoot, troquem os arcos imaginários por armas imaginarias, troquem o fim do relacionamento pelo começo e boom, temos Fingertip. E tudo isso temperado por um MV cheio de referências e “viagens astrais” pra galera dar muitas views e criarem teorias, no ponto de vista comercial … genial.

Particularmente não é a minha música nem MV favorito, vão ter que suar bastante pra ultrapassarem Rough, mas do ponto de vista comercial e de como o kpop anda se encaminhando hoje, é algo acima da média (principalmente por não se parecer algo feito pra americano gostar).

Esperando ansiosamente quando chegarem na fase girl power e criarem a sua versão de The Boys. Enquanto isso me contento com elas dançando Fingertip de pijamas.

PS: Prefiro essa “Fingertip”: